Lojas HUMANA

Almirante Reis 3Av. Almirante Reis 104-B 1150-022 Lisboa
Tel: (+351) 218 139 327

Almirante Reis 1Av. Almirante Reis 26-A 1150-018 Lisboa
Tel: (+351) 217 971 019

Júlio DinisRua Júlio Dinis 936 4050-322 Porto
Tel: (+351) 22 600 08 08

Morais SoaresRua Morais Soares 70 1900-348 Lisboa
Tel: (+351) 218 131 557

Almirante Reis 2Av. Almirante Reis 94 1150-022 Lisboa
Tel: (+351) 218 132 713

AreeiroPraça Francisco Sá Carneiro 10A - 10B 1000-160 Lisboa
Tel: (+351) 218 450 909

FanqueirosRua dos Fanqueiros 225 1100-229 Lisboa
Tel: (+351) 218 861 187

CedofeitaRua de Cedofeita, 327 4050-109 Porto
Tel: (+351) 220 123 394

Passos ManuelRua Passos Manuel 62 4000-450 Porto
Tel: (+351) 22 201 17 80

Alexandre BragaRua Alexandre Braga 134 4000-124 Porto
Tel: (+351) 222 058 072

5 de OutubroAvenida 5 de Outubro, 72 1050-059 Lisboa
Tel: (+351) 217 931 799

Uma nova oportunidade na luta contra a mudança climática

05-12-2018

Uma pequena equipa da Fundação irá em representação da Humana People to People à COP24, a conferência sobre a mudança climática mais importante do Planeta, que tem lugar em Katowice, (Polónia) até dia 18 de Dezembro. Os objetivos da presença desta equipa são seguir de perto e muito atentamente as tendências e decisões que se tomam na luta contra a mudança climática e identificar potenciais sócios/parceiros para desenvolver novos projetos.

A Humana participa na COP24, para estar presente em diversas reuniões com representantes dos atores chave dos países do hemisfério Sul nos quais atualmente a organização e os seus parceiros locais implementam diversas ações. Ditas reuniões serão muito úteis na hora de analisar como continuar a trabalhar em conjunto com ministérios e organizações desses países para implementar mais ações de desenvolvimento nas comunidades vulneráveis.

 

Aplicação do Acordo de Paris

A cimeira de Katowice arranca com o desafio de dotar a comunidade internacional de umas regras de jogo claras e transparentes que permitam pôr em marcha o Acordo de Paris e assegurar que a temperatura do Planeta não aumenta mais de 2 graus celsius. É bastante clara a necessidade de apostar em objetivos mais ambiciosos que os que se estabeleceram no Acordo de Paris. Tanto que a Estratégia Europeia contra a Mudança Climática insiste na completa neutralidade carbónica em 2050.

Segundo dados que se acabam de tornar públicos, a temperatura do globo aumentou em média 1 grau em comparação com a era pré-industrial. Em Portugal esse aumento é já de 1,2 graus.

 

Humana, mudança climática e agricultura sustentável

Segundo dados do Banco Mundial, o crescimento do sector agrícola é pelo menos duas vezes mais efetivo que qualquer outro sector na luta contra a pobreza. Há que ter em conta que aproximadamente 500 milhões de pequenos agricultores produzem cerca de 80% dos alimentos que o Planeta consome.

Através dos programas Farmers Club (FC), Humana People to People apoia os pequenos agricultores a melhorar de forma sustentável a sua produção e produtividade agrícola, assim como a aumentar a sua capacidade de adaptação e mitigação dos efeitos da mudança climática. Junto a questões como a agricultura sustentável e de conservação, foram sendo incorporados aspetos relacionados com a gestão de recursos naturais, com especial atenção para a água, o acesso a energias renováveis, a agrosilvicultura, o desenvolvimento da cadeia de valor dos produtos agrícolas e a melhoria da nutrição nas comunidades em questão. Todos eles contribuem para a eliminação ou apaziguamento das consequências do aquecimento global.

 

Climate Smart Agriculture e investimento em capital humano

Os métodos, enfoques, tecnologias de baixo custo e cultivos propostos aos agricultores têm em conta o contexto sociocultural e económico de cada comunidade, assim como as condições ambientais, biofísicas e climáticas locais. Os princípios próprios da denominada Climate Smart Agriculture (CSA) e a Adaptação Baseada nos Ecossistemas (EbA, siglas em inglês) utilizam-se como base para desenvolver os projetos agrícolas específicos para a comunidade.

De igual modo faz-se um especial finca-pé no conhecimento e nos meios necessários para reduzir o impacto das pragas na produção agrícola. E também para tratar de dar resposta às variações nos padrões de precipitação e o aumento da frequência e intensidade dos eventos climáticos extremos relacionados com o aquecimento global.

Outro dos aspetos centrais dos Farmers Clubs é o investimento no capital humano das comunidades, incluindo o empoderamento dos comités das aldeias, o estabelecimento de estruturas comunitárias e a sua plena participação no programa. A igualdade de género tem um papel fundamental na correta implementação dos Farmers: por isso mesmo dá-se prioridade à melhoria do papel das mulheres e a integração da sua experiência em atividades como o cultivo de legumes e verduras, o processamento das mesmas ou a sua posterior comercialização nos mercados locais.