Lojas HUMANA

Almirante Reis 3Av. Almirante Reis 104-B 1150-022 Lisboa
Tel: (+351) 218 139 327

Almirante Reis 1Av. Almirante Reis 26-A 1150-018 Lisboa
Tel: (+351) 217 971 019

Júlio DinisRua Júlio Dinis 936 4050-322 Porto
Tel: (+351) 22 600 08 08

Morais SoaresRua Morais Soares 70 1900-348 Lisboa
Tel: (+351) 218 131 557

Almirante Reis 2Av. Almirante Reis 94 1150-022 Lisboa
Tel: (+351) 218 132 713

AreeiroPraça Francisco Sá Carneiro 10A - 10B 1000-160 Lisboa
Tel: (+351) 218 450 909

Fanqueiros, 225Rua dos Fanqueiros 225 1100-229 Lisboa
Tel: (+351) 218 861 187

CedofeitaRua de Cedofeita, 327 4050-109 Porto
Tel: (+351) 220 123 394

Passos ManuelRua Passos Manuel 62 4000-450 Porto
Tel: (+351) 22 201 17 80

Fanqueiros, 197Rua dos Fanqueiros, 197 1100-229 Lisboa
Tel: (+351) 210 183 041

Alexandre BragaRua Alexandre Braga 134 4000-124 Porto
Tel: (+351) 222 058 072

Avenida de Roma 3Av. Roma, 3. 1000-191 Lisboa
Tel: (+351) 211 502 048

5 de OutubroAvenida 5 de Outubro, 72 1050-059 Lisboa
Tel: (+351) 217 931 799

Tomás Ribeiro 16Rua Tomás Ribeiro 16 1050-234 Lisboa
Tel: (+351) 218 026 552

Santa CatarinaRua de Santa Catarina 513 4000-124 Porto
Tel: (+351) 220 190 115

World Malaria Day: Eliminar a doença é responsabilidade de todos

24-04-2020

Desde 2000, foram realizados progressos históricos na luta contra a malária, salvando milhões de vidas. No entanto, metade da população mundial ainda corre o risco dessa doença evitável e tratável, que custa uma criança a cada dois minutos.

O tema escolhido para o Dia Mundial da Malária deste ano, comemorado em 25 de abril, é Zero Malaria Starts With Me. Este lema enfatiza o poder e a responsabilidade de cada um de nós, independentemente de onde vivamos, para garantir que ninguém morra como resultado da picada do mosquito que carrega o parasita da malária. Essa doença também está cada vez mais associada à pobreza e à desigualdade, com as pessoas mais vulneráveis como população de risco e, dentro dela, mulheres grávidas e crianças com menos de cinco anos de idade na África Subsaariana como os grupos mais afetados.

De acordo com o último relatório mundial sobre a malária, quase 900.000 crianças em 38 países africanos nasceram em 2018 com baixo peso ao nascer devido a sintomas de malária sofridos por suas mães durante a gravidez. Nesse mesmo ano, crianças com menos de cinco anos representaram dois terços das mortes por malária em todo o mundo.

Mobilização comunitária, prevenção, conscientização, distribuição de redes mosquiteiras e testes de diagnóstico

As organizações que fazem parte do Humana People to People estão atualmente desenvolvendo vários projetos para combater a malária em cooperação com outras entidades, que compartilham o objetivo comum de erradicar essa doença tratável. Esses projetos são baseados na mobilização e prevenção da comunidade por meio, por exemplo, da distribuição de redes mosquiteiras. Por meio das redes de agentes comunitários de saúde, são realizadas campanhas de informação e conscientização, testes diagnósticos e encaminhamento dos pacientes aos centros de saúde. Da mesma forma, é promovido o acompanhamento dos pacientes durante o tratamento, bem como o diálogo com suas famílias e com o restante da população. Para esse fim, são organizadas reuniões nas aldeias, escolas e campanhas de porta em porta.

Ao longo de 2019, essas campanhas de conscientização envolveram mais de 2,3 milhões de pessoas, enquanto 420.000 foram submetidas a um teste de diagnóstico. As pessoas que deram positivo foram, em alguns casos, tratadas em postos de saúde temporários e, em outros, encaminhadas para centros de saúde.

Ação coletiva para alcançar resultados melhores e mais rápidos

A ADPP Moçambique está atualmente implementando um grande projeto para combater esta doença, envolvendo 1,3 milhão de pessoas das comunidades mais afetadas nas províncias de Niassa e Nampula. Em julho do ano passado, o Humana People to People-Congo iniciou um novo projeto de malária que visa atingir 313.000 pessoas na província de Mai Ndombe. Por sua vez, a Humana People to People na África do Sul implementa três programas de malária ao longo da fronteira com Moçambique e Esuatini (antiga Suazilândia) que integram mais de 200.000 pessoas. Um dos objetivos dessas ações é erradicar os locais habituais de reprodução do mosquito anófeles feminino, transmissor do parasita.

No caso da Zâmbia, Botsuana, Zimbábue, Guiné Bissau, Malawi, Namíbia e Angola, bem como na África do Sul, Moçambique e República Democrática do Congo, são promovidas redes de distribuição de mosquiteiros, envolvendo profissionais de saúde e voluntários. Gestantes e crianças menores de cinco anos são os grupos de maior interesse nessas campanhas.

ADPP Moçambique e a ADPP Angola, além disso, lideram dois grandes projetos de combate à malária, nos quais outras organizações participam, e que é desenvolvido nas fronteiras de Angola, Botsuana, Esuatini, Moçambique, Namíbia, África do Sul, Zâmbia e Zimbábue. É uma iniciativa ambiciosa, baseada em grande ação coletiva, com o apoio do Fundo Global de Combate à Aids, Tuberculose e Malária.